IGREJA EPISCOPAL ANGLICANA DO BRASIL
DIOCESE ANGLICANA DE SÃO PAULO
Rua Borges Lagoa 172
04038-000, São Paulo, SP
Bispo Diocesano: Dom Roger D. Bird


São Paulo, 24 de setembro de 2008

OS LAVRADORES E A DASP
As parábolas de Jesus têm em geral dois níveis de entendimento: A parte narrativa onde Jesus utiliza uma cena que seus ouvintes podem visualizar facilmente e a parte espiritual onde Jesus demonstra um aspecto do Reino de Deus. A Parábola dos Lavradores (Mateus 21: 33 a 44) não é diferente.

Dificilmente uma pessoa ouvindo a narrativa não ficar indignada com os lavradores que agem em beneficio próprio e não fazem o que é certo. Ou seja, em vez de dar para o dono da vinha sua parte da colheita que é nada mais do que justo, eles maltratam os enviados do dono e até matam seu próprio filho. Acredito que a maioria de nós teria dado a mesma resposta dos ouvintes desta parábola quando Jesus perguntou: “Portanto, quando vier o dono da vinha, o que fará àqueles lavradores?” - “Matará de modo horrível esses perversos e arrendará a vinha a outros lavradores, que lhe dêem a sua parte no tempo da colheita.”

A parte espiritual fica óbvia quando colocamos Deus como dono da vinha. Deus formou este planeta maravilhoso e o “arrendou” para a raça humana cuidar; fez com ela uma aliança: Ele será seu Deus e a humanidade, o povo dEle. O Antigo Testamento está cheio de narrativas de como o povo não cumpriu sua parte da aliança. Deus enviou seus profetas para alertar o povo de suas transgressões, mas, como na parábola, o povo espancou um, matou outro e apedrejou o terceiro. Na plenitude dos tempos, Deus enviou seu único filho, Jesus Cristo, ao mundo para restabelecer a aliança. Seu destino foi o mesmo do filho do dono da vinha - ele foi morto.

O que aconteceu depois da morte de Jesus Cristo? Nós Cristãos acreditamos que Deus “arrendou sua vinha” para aquelas pessoas que reconhecem Jesus como o Filho de Deus e o aceitam em suas vidas como seu Senhor e Salvador. Ou seja, nós somos os novos lavradores do Reino de Deus.

Enquanto nós nos preparamos para a segunda vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, acredito que deveríamos refletir sobre esta parábola e avaliar se nós e nossas paróquias e missões estamos sendo bons lavradores para o Reino de Deus. Será que estamos cuidando bem das sementes que Ele nós confiou? Será que estamos cultivando estas sementes para que elas dêem bons frutos para glória de Deus? O que mais podemos fazer para tornar a colheita mais abundante e valiosa? Será que Deus, olhando para nossas vidas e nosso trabalho, diria - “Você é um bom lavrador, venha para meu Reino”?

Que cada um de nós seja um bom lavrador ou uma boa lavradora aos olhos de Deus.

Seu bispo
+ Roger D. Bird